Para encontrar sentido na vida

Dinheiro.
O que falar do dinheiro né?
A primeira coisa a dizer sobre ele é que te limita.
O tanto de dinheiro que você tem, diz muito sobre suas influências, sobre até onde você pode ir, o que pode comprar, quem você pode comprar e enfim.
Dinheiro é algo necessário nos dias de hoje, aliás se fez necessário porque o homem inventou.
Quem tem muito dinheiro se acha dono de um pedaço do mundo e concretamente no mundo que nós criamos ele de certa forma é mesmo.
Dinheiro traz muitos tipos de felicidade, eu concordo, mas só com muita, mas muita maturidade para entender que ele não compra sentido.
Dentro do sentido está embutido amor, plenitude, paz, verdade, satisfação e eternidade.
É meus amigos o mais duro de ler alí é eternidade.
Nada compra a eternidade, ainda mais se  a pessoa é cética. Só a fé pode lhe prometer eternidade.

Voltando para o dinheiro.
Metaforicamente quando falam que todos tem seu lugar ao sol, eu não acredito e mais, acho hipócrita.
Como se dependesse apenas de nós garantir esse lugar.
O ambiente e todas as outras condições abstratas e concretas definem muito sobre até onde alguém pode chegar. Até resiliência é algo subjetivo. Nem todos tem a mesma subjetividade que você, assim como nem todo deficiênte físico conseguirá evoluir para ser um atleta olímpico.
O dinheiro causa a maioria das discussões políticas e sobre humanidade.
Humanidade.
Começamos a desumanizar quando foi dado valor as coisas.
Hoje ele faz parte da nossa essência, vinculado até a nossa integridade. Ter o mínimo de dinheiro para sobreviver.

A dificuldade das coisas está ai, ele nos motiva.
Se um professor não recebe bem e dá aula para crianças sem educação que vem de uma realidade difícil e sem "integridade", ele não se motiva a dar aula. Não é dever dele cuidar da educação que vem do "berço", esse berço que não existe por causa da desigualdade que o governo não supri e que foi criado pelo homem.

Percebem?

Somos a única espécie no mundo que se boicota.

Até que ponto a nossa inteligência superior foi bom para nós mesmos e para o mundo?

A mesma coisa que citei ali a cima acontece em várias outras áreas, policial, política, médica e enfim.
Não é só hipocrisia não, é condição.
Não há partilha.
O que é mais incrível é que há partilha em lugares que se tem muito pouco para partilhar. Isso já virou até video viral na internet, moradores de rua dividindo comida, roupas e até cobertores.

Uma pausa, para uma lágrima.

Será que quando o dinheiro não faz mais parte de nós, nos tornamos pessoas melhores? Ou melhor, que partilham mais?

Quando o fundamental não é o quanto se ganha e sim a transformação do outro e o amor pelo outro, um professor, um médico e enfim seja quem for consegue trabalhar em qualquer condição desfavorável.
Porque não existe prazer maior que se sentir salvando alguém.
Eu sei que temos pontos a repensar, como quando somos responsáveis por uma família, é também uma questão de sobrevivência. Mas até quando isso nos fará feliz.?

Vejo tantas pessoas querendo fazer mal as outras, mesmo que só com palavras. E depois não entendem por que não são felizes.

Ser feliz não significa ter razão, ter dinheiro ...

Ser feliz é não ser cego, entender o outro, partilhar...

Ser feliz é ser e sentir o amor.

Muitos procuram sentido quando tem dinheiro, porque já tem tudo, não há mais o que comprar.

Mas não encontram e se perdem.

Apenas com sabedoria e caridade é possivel se alcançar o sentido.

Era "só" disso que precisavamos para nossa vida.



Foi no meio dessa busca que eu encontrei Deus. E isso não é demagogia, apenas a minha verdade.
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado