Para toda indiferença um foda-se

Tem dias que da vontade jogar tudo pro alto, chutar o balde e se renovar.
Me renovar de tudo que não me ama, não me quer e que não se interessa.
Aliás até se interessam, mas só em tirar minha energia e nunca trocar boas energias.
Eu estou precisando é de combustível, de sorrisos e pessoas viscerais.

Que dão de si e dessa forma conseguem ser mais.
A indiferença, o orgulho e o preciosismo limitam o mundo e são um grande mal.
Todos hoje estão focados em suas próprias selfies.
Acho que eu sou aquela parte da natureza que se importa.
Que sofre e chora.
Que não aceita desamor.
Eu sou o tsunami que quer eliminar quem causa dor.
Mas ao mesmo tempo não posso pensar assim.
Se existem limitados é porque aprenderam a reproduzir as limitações.
Eu quero mais do mundo.
Quero dedicação.
Quero a verdade e não a desculpa ou a mentira.
Eu sinto cheiro de mentira e eu odeio.

Então serei nada educada e vou usar o meu Foda-se pra toda essa indiferença.
Pra todo esse orgulho.
Desamor.
Selfissismo.
Vitimismo e enfim.

Eu quero é viver e olhar para olhos que tenham vida e energia no corpo.

Que vê o outro e sabe doar-se.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado