A tímida e o jogo da verdade par2


Amanda estava retocando seu batom, quando Helena buzinou incansavelmente na frente de sua casa. 
Pegou o celular deu um beijo em Amora, que disse para ela arrasar na festa. 

_Cheguei, disse Amanda abrindo a porta do carro.

_Entra ai ruiva!

Amanda notou que Helena estava bêbada e imediatamente colocou o cinto de segurança, com seus típicos olhos arregalados.

_Sabe o que eu acho uma desgraça nessa vida?

_ O que ?

_O cara que eu acho mais gato da faculdade, que eu já peguei e dispensei agora está afim da minha amiga. 

Amanda disfarçou o sorriso, sabia que ela estava falando de Silas.

_Nossa que chato Helena.

_Não se fa ...ça de tonta Amanda. Claro que é do Silas que estou falando e ele esta afim de vo...cê. Me falou isso hoje, só que a desgraça é... Eu não sei dividir e quando parece que o cara sai da minha eu me apaixono.

_Helena cuidado o carro!

Helena desvia, mas logo para o carro.

_Dirige ai!

Amanda sentiu um alívio com aquela pequena frase, trocaram de lugar e Helena explicou mais ou menos o caminho.

_Só que calma Amandex, voltando para o assunto,  não é que você não pode ficar com ele. Você pode ! O problema é competir comigo, né queridinha. 

Helena deu uma gargalhada alta. 

_Sério, vai ser nosso joguinho. Quem vai pegar o Silas hoje.

_Eu não vou pegar ninguém Helena.

Amanda já estava se sentindo incomodada com o desenrolar daquela conversa. Ela sabia que não tinha como competir com Helena, mas ela não precisava deixar aquilo tão claro. 

_Para o carro!

Helena grita e Amanda para imediatamente, sem fôlego.

_É aqui gata! Estaciona!

Helena da gargalhadas curtas e sai do carro. Amanda fica um tempo no carro e um mau pressentimento bate em seu coração, até que ao portão verde de grade chega Silas.

_Boa noite Amanda.

_Olá professor, tudo bom?

_Agora não mais, professor? Estou me sentindo um velho. 

_Desculpa, Silas.

Os dois ficam se olhando em um curto e incomodo silêncio e então Amanda resolve entrar na republica. Ela nota que Silas é tão tímido quanto ela e aquilo mexe com seus sentimentos de uma forma diferente, apesar de representar um mau sinal. Silas entra na sala da republica e imediatamente Helena o "ataca" com um beijo longo em sua bochecha.

_Silas querido!

_Oi Helena.

A anfitriã da casa, uma garota negra de olhos amendoados se colocou no meio da sala e falou:

_Todo mundo com suas cervejas, sentem porque o jogo vai começar!

Amanda não entendeu o que iria acontecer, mas fez exatamente o que os outros fizeram, afinal não queria ser notada. Formaram uma roda, onde Silas sentou à sua frente, Helena observou e empurrou Amanda para ficar exatamente onde ela estava, à frente do professor.

A anfitriã Juliana começou a falar:

_Seguinte, parece infantil, mas vamos "brincar" (fala em tom irônico) com o jogo da verdade. Só que né, apimentado. 

Amanda ficou um pouco assustada com aquilo, mas resolveu participar porque só precisava falar verdades e nunca pedir pelo desafio. Percebeu que tinha um cara cabeludo na roda, que dava tragos em seu cigarro e olhava fixamente para ela, sentiu um arrepio na espinha. 

A garrafa girou muitas vezes e muitos desafios rolaram. Helena beijou uma de suas amigas, pessoas dançaram até o chão, viraram copos de tequila e muitas outras coisas proibidas para menores. Até que a garrafa girou e Juliana tinha que fazer uma pergunta para Amanda. 
Amanda percebeu que ela olhou para Helena, antes de fazer sua pergunta que foi:

_A man dinha! (deu uma risadinha irônica), é verdade que você gosta do professor Silas, mas é covarde demais para admitir isso?

Amanda ruborizou, ficou constrangida com a risadinha das pessoas e logo olhou para o professor que ficou esperando sua resposta. Não sabia o que fazia. Eram adultos e se falasse que não, talvez aquilo soasse com uma verdade absoluta, perderia a chance mesmo que em sonho de ficar com ele. Olhou para Helena, que estava se sentindo orgulhosa com o que tinha aprontado. Amanda pensou e parou de pensar, precisava responder aquela pergunta. Bebeu três goles de cerveja, disfarçando a demora. Limpou seus lábios e disse, olhando fixamente para Juliana que a encarava.

_É verdade!

O silêncio tomou conta da sala, aquela era uma resposta inesperada por todos que conheciam Amanda. Silas olhou para baixo e sorriu. Os olhos de Amanda estavam fervendo e lacrimejados, pois sua coragem corria pelas veias, aquecendo-as. 

_ Uau. Disse Juliana. 

Helena de cara fechada, girou a garrafa que apontou para ela mesma e para o menino cabeludo que estava secando Amanda com os olhos. Novamente o sorriso tomou conta de Amanda que perguntou:

_Verdade ou desafio Guto?

_Desafio, respondeu prontamente. 

_Ai que delicia!Corajoso! Desafio você a dar um beijão ão ão em Amanda no meio da roda. 

_Fácil, gata! Vem cá ruivinha.

Amanda foi para trás e falou:

_Eu não quero fazer isso.

_Ihh queridinha vai amarelar? Você viu várias coisas, você tem que aceitar isso. 

_Se ela não quer não precisa, disse Silas defendendo-a.

Nesse meio tempo, Guto pulou em cima de Amanda e roubou um beijo, que foi impossível de desviar, pois segurou sua cabeça. Amanda se sentiu enojada, frágil e começou a tentar empurrar Guto, quando Silas o puxou, empurrou contra um armário cheio de louça que desmoronou. 

_Que absurdo, eu vou chamar a policia, disse Juliana.

_Chama a policia que eu conto as droguinhas ilícitas que vocês tem aqui, eu to limpo, não bebi e não fumei. Posso falar sobre um armadilha para um professor rígido da faculdade, que lembrará de repetir cada um de vocês aqui. Mas Guto, o B.O contra você vai ser feito, quer você queira ou não.

Todos ficaram em silêncio. 


Continua...





















Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

Amor fechado

Amor a primeira vista