Era uma vez ela e ele.

Eles eram amigos há muitos anos, mas um segredo que guardavam, desde o primeiro dia em que se viram, era o quanto se amavam.
E acho que até por isso que tinham momentos verdadeiramente bons e outros muitos ruins. E no meio de tudo isso o que faltava era coragem para uma declaração informal do amor que sentiam.
Entre esses momentos ruins estavam:

O medo de se declarar e não ser correspondido, estragando a amizade entre os dois por pena ou qualquer coisa assim. 
E conviver com aquele eterno ciúme de namoradas, namorados e paqueras que ao longo do tempo surgiam.
Fora esses problemas, Maya e Thiago conviviam muito bem. Os dias felizes eram recheados de provocações, brincadeiras e parceria. Estavam sempre juntos para cima e para baixo. 

Tudo mudou quando o colégio estava para acabar, Maya já sabia que iria para uma faculdade longe da cidade onde moravam e não sabia como conviveria com a covardia de antes, sem sequer saber o gosto do beijo do menino que mais gostou em sua vida nos últimos dez anos. 
Já claro a tristeza de Thiago, mas esse como era prático demais estava conformado que dividiria os últimos momentos bons com sua amada amiga e até por causa disso tratou de dar um fora na menina mais popular da escola, porque para ele agora o que importava era estar com Maya.

Típico de último ano, o último dia de aula era marcado por troca de presentes, o famoso amigo secreto ou oculto como dizem por aí. Milagrosamente Maya sorteou Thiago para presentear e disse em frente a uma sala de trinta alunos:

_Bom, meu amigo é a pessoa que mais amo nessa vida, claro depois dos meus pais. 

Vozes soavam "hummmm" "é o Pedro". Só a professora olhava atenta para Maya e posteriormente Thiago, que já estava teclando no celular por nem imaginar que aquele discurso era para ele.

_Ele é muito importante mesmo e dividiu os anos mais incríveis da minha vida. Meu companheiro e parceiro que não larga esse celular nunca, Thiago.

Agora as vozes eram de decepção e os gritos eram de "marmelada".

Thiago levou um susto e sentiu uma emoção tomar todo seu corpo, se segurou pois pensou:" como assim eu vou chorar?"

O final da aula passou, todos se despediram e logo Maya e Thiago iriam fazer seu longo caminho para casa. Antes de saírem a professora chamou Thiago.

_Thiago por favor, preciso te falar uma coisa.

Maya olhou para ele um pouco nervosa, pois queria dizer-lhe algo, mas resolveu esperar fora da sala. 

_ Pode falar professora
_Você é tapado?

Thiago olhou para ela sem entender, como se tivesse levado um tapa na cara, o que de fato levou mesmo. 

_Você gosta da Maya?

_Claro ela é minha amiga! Como assim professora?

_Abre o olho menino, ela gosta de você da mesma forma que você gosta dela. Não perde tempo! Boa faculdade pra você.

A professora saiu e a adrenalina tomou conta do coração de Thiago, ao mesmo tempo que a negação, pois como uma professora poderia sugerir que Maya gostava dele, ela nem convivia com os dois. Preferiu esquecer e alcançou Maya no corredor. 

_Vamos ?

_Vamos!

Até metade do caminho para casa andaram em silêncio até que Maya deu um suspiro mais profundo e falou:

_Eu tenho mais um presente pra você, mas resolvi guardar para dar longe dos nossos amigos.

_Que isso Maya não precisa..

E antes mesmo que Thiago completasse a frase, Maya atrapalhadamente o empurrou contra a parede, olhou para ele e ficou indecisa e riu. Thiago já sabia o que ela queria e resolveu responder ao impulso. Riu com ela, mas quando tudo foi perdendo a graça, olhou para os olhos daquela menina que representava o mundo para ele, segurou em seu queixo e aproximou sua boca. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

Amor fechado

Amor a primeira vista