Lulu e o azul - Livro Infantil da Autora Aline Beringhs

*Uma homenagem a minha sobrinha e afilhada Luiza e meus filhos Rafael e Gabriel


Lulu não sabia dizer como era, quando morava dentro da barriga da mamãe! Só lembrava que era quentinho e tudo estava da cor preta. 



Mas quando ela saiu da barriguinha da mamãe percebeu que existiam várias cores lindas, vibrantes, principalmente do brinquedo que ficava rodando em seu berço. Ela adorou ver todas aquelas cores. 



Ela via o azul que era da cor do céu. O verde como a cor das folhas. O amarelo que vibrava como o sol. O laranja lindo como uma laranja suculenta. O rosa como as rosas no jardim.


Mas Lulu ficava chateada. Porque sua mamãe só a vestia com a cor rosa. Era linda, mas Lulu queria explorar todas as cores. O amarelo, o azul, o verde. Não entendia porque a Mamãe fazia isso com ela. 

Se Lulu pudesse, se vestiria com todas as cores do Arco-íris. 


Lulu precisava arrumar uma forma de falar para sua mãe que queria outra cor de roupa. Mas como? Se seu armário só tinha roupa cor de rosa? 

Ela logo pensou que precisava apontar!

Ela apontava, mas a mamãe achava que queria mostrar um passarinho no céu.


Ela tentou chorar, mas foi em vão porque ninguém entendeu nada. Ela já não aguentava mais mamar.

Até que um dia seus vizinhos Rafael e Gabriel chegaram em sua casa. 

Os dois já sabiam falar, mas entendiam muito sobre a linguagem dos bebês. 

Lulu apontou para a cor da blusa de Gabriel e ele falou :

_AZUL!

Lulu escutou com atenção, e olhou para como Gabriel movimentou sua boca para falar a palavra e tentou durante dias falar AZUL.

Até que um dia sua mãe foi trocá-la, Lulu olhou para ela, se concentrou muito e disse:

_A ZUL

Sua mãe ficou eufórica com sua primeira palavra e gritou para o papai:

_Ela falou azul, ela falou azul papai!

_Que demais mamãe, agora temos que vesti-la de azul para comemorar!


Lulu então foi para a casa da vovó com um belo vestido de flores azuis e estava mais feliz que qualquer bebê no mundo.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

Amor fechado

Amor a primeira vista