Eternizar

Andando com os meus pés descalços
Vou trilhando vida, em forma de pegadas
Simbolizadas em meu chão
A cada passo com
Marcas e cicatrizes
Luzes para
Minha profunda escuridão
Guia para a cegueira
Silêncio aparente
Quando me calar
Eufemismos escondem minha imensidão

Despertando cada amanhecer
Transformando-me em um novo ser
Banhada pela mesma água salgada
Produzida em meu íntimo
Onde se da a metamorfose
E do sal endosso minha alma

Aos céus peço proteção
Com os olhos fechados em procissão
Orando toda a sabedoria
Lutando contra o cárcere que me afoga

A maravilha então acontece
No segundo bendito e natural
Em equilíbrio com a repressão
O milagre em forma cintilante de luzes roxas, azuis e brancas
Que me invadem e me dão um sinal
Sinto a purificação
Atendida em meio a multidão
Luar que enche os mares
Tufão dos ares que sopram do norte
Sinto assim até a beleza da morte

E nessa dinâmica que é o viver
Não estou só
Estou à altura de um ver
Que traz sentido em comunhão
De uma humanidade
Que espera.
Libertação de suas amarras
Paz dentro de suas guerras
Um nó em suas próprias
Armadilhas.
Desvencilhar de um ser
Que deve transcender ao viver
Em fusão de luzes
Da eternidade





Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado