Intangível

Eu quero andar por aí,
passar pelos bares, ruas e alamedas
Que percorri quando te conheci
A cena ficou estigmatizada em cada lugar
Sinto a nuance de nossa energia cambiante

Minha quimera é sentir um beijo seu
Suas mãos em meu corpo
Tocar seu sorriso
Mas realizo em meu sonhos
O beijo de uma boca inacessível
A ilusão de seus braços colados em meu corpo
A esperança vã de suas palavras ao pé do ouvido
Seu sorriso doce encontrando os meus

Quem me dera te encontrar por aí
Fora dos meus sonhos
Convidando-me para sair
Abrindo a porta do seu mundo
Me pedindo pra ficar.

Quem dera se a saudade virasse ilusão.
Quem dera se me desse seu coração.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado