Poço fundo fundo poço

O fundo do poço seu moço
Eu acabei de entrar
Sem fome, sem luz
Somente a cruz, o meu pesar
A gente erra sem querer
A gente erra por saber
Que não se sabe viver
Anda, sofre tropeça
Anda, sofre e tem pressa
A pressa cega e me enche de ingratidão
Eu tiro meus pés do chão
Eu sofro a negação.
Eu nego e não sinto
Eu nego e não me entrego
e começa a perdição
Me perco e erro
E sofro a solidão
De esquecer que aqui dentro bate um coração
Que esteve no limbo, em uma escuridão
E eu pago com ele o erro, sem devolução.
O troco são as lágrimas que choro em oração.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado