Que os irmãos se amem

Eu sou filha única, mas hoje sou mãe, posso presenciar o crescimento dos meus dois filhos e acompanhar sua relação fraternal. 
Pude perceber tantas coisas maravilhosas sobre ter um irmão, mas com certeza existem ainda outras, mais profundas que eu não sei, de qualquer maneira o que eu posso dizer acredito que já faça bastante sentido. 
Ter um irmão é algo muito importante para o desenvolvimento infantil, infelizmente não tive um e dessa forma muitas coisas acabei aprendendo bem mais tarde, apesar de ter alguns benefícios em ser única, não vou negar. 
Só que é com o irmão que experienciamos um modelo do que viveremos no mundo real e difícil. De certa forma nosso irmão, aquele pestinha ou aquela pestinha que te importunava, pegava suas coisas, te dava tapas e ainda mentia para sua mãe que foi você que deu um primeiro, ajudou muito na formação do seu caráter e sensibilidade.
É com o irmão que sabemos o quanto fazer mal para o outro pode doer e como precisamos nos controlar. Vejo quando meu filho passa do limite em bater no irmão e percebe no choro dele todo sofrimento que foi causado, ele se arrepende e as vezes chora junto pedindo desculpas. Uma grande lição saber que podemos causar o mal a alguém e que lidar com isso pode não ser muito fácil. Primeiro passo para empatia, percepção e autocontrole.
Por outro lado que você aprende com ele medir suas forças, saber do seu potencial, até onde você vai, onde você se diferencia. O desafio de ser irmão e melhor, podem te motivar a não desviar de um caminho que faça você se destacar. Coisa que eu já fazia muito, queria ser mil coisas, por não ter referência em ninguém daquilo que eu era realmente boa. Se era fisicamente, artisticamente, educacionalmente ou enfim, qualquer habilidade dessas. Eu desistia fácil dos meus sonhos, porque para mim eu era boa em quase tudo, pelo menos era o que eu pensava. 
Companhia, outro ponto muito importante. Para ter o outro ao seu lado, seu comportamento deve ser bom. Não dá para ser egoísta com o irmão se você quer brincar com ele. Então, apesar de ser algo difícil, você aprende a dividir brinquedos, roupas, a ter paciência para brincar, não ser tudo do seu jeito, saber negociar e enfim, tudo que é necessário para ter uma boa convivência. 
Saber falar não também é uma tarefa que se aprende com o irmão. Eu era uma criança que quando pequena, na primeira infância não sabia falar "não". Cedia brinquedos, cedia às brincadeiras e se apanhasse de algum amigo ficava quieta. Meus filhos são bons, mas tenho certeza que eles sabem o limite da "folga'. 
Pensar no outro também é uma tarefa que começa cedo quando se tem um irmão. Se tem comida, bebida ou um presente, sempre questionam e meu irmão? A existência do outro, em sua mesma hierarquia, faz serem parceiros nessa hora. " Se eu mereço, pois ele também". Pois é, caridade. 
Ter um irmão pode não ser uma tarefa fácil, mas ele é a próxima pessoa depois dos seus pais que pode te dar a mão quando as coisas estiverem realmente difíceis. Podem ser sacanas e frios, mas quando precisamos de verdade, lá estão eles para nos defender de um amigo maior que a gente, na hora de guardar todos os brinquedos espalhados no sofá, no banho divertido ou até quando nossos pais dão uma bronca "geral", é ai que as mãos se juntam e viram cúmplices. Cúmplices de uma vida, de silêncios, de tristezas, de alegrias, de saudade, de manias e valores.
Que os irmãos se amem, para sempre, porque ninguém substitui o lugar que é deles.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado