Aquele amor.

Que susto quando então, me invadiu esse amor.
Bebi desse mel sem querer
Que despertou você dentro de mim
E acabou que me perdi, me desintegrei, me dissolvi em seus encantos
Que me traz o sorriso fácil e o medo eterno
Aquele medo egoísta de te perder. 

Quero andar nesse caminho de flores, de suor 
Quero mergulhar nas profundezas de seus beijos
Transpirar com a intensidade desse amor
Deixo que me tome pela vida em transe
Me fazendo viver novamente cada experiência pela primeira vez.

Quero cuidar do perfume da sua pele
Manter a saúde de seu coração
Quero ser e participar das suas alegrias, tão, tão minhas.
Dividir toda minha história
Ouvir, ceder e te dar sede de minha presença.

Precisarei me fazer importante em cada desventura
Mas aprendi o que é o  amar
E como a compaixão é quase indestrutível
Quase uma quimera
Mesmo que magoe profundamente minha alma
O meu alimento está nesse  sentimento que construí uma fortaleza
Que quase tudo esquece, que quase tudo perdoa.
E que além de tudo deixa ficar por amor, mas também deixa ir.

Eu cuido para que esteja ao seu lado por toda minha vida
E mesmo que você se vá, com um eterno adeus
Eu terei os beijos da sua boca na minha
Terei o prazer do seu corpo ao meu
Sentirei a segurança da sua escolha
e o amor estará aqui...
Porque o amor verdadeiro está além do mundo físico
É forte, é eterno 
É abstrato
Mas tocado com o coração abraçado à alma.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

Amor fechado

Amor a primeira vista