Mais uma data


Mais uma data em que ela não comemora...
A maior parte do tempo ela quer assumir todos os erros.
Dar cinquenta, sessenta e até,se preciso for, cem por cento.

Mesmo com o cansaço, tristeza e solidão.
Ela aceita a posição dele de vítima.
Aceita cuidar e acredita que precisa alimentar sozinha a paixão.
Afinal ele a faz acreditar que é o melhor que pode ter.
Funciona...

Ela viveu erros na solidão
Virou escrava e vive pedindo o perdão.
Isso sempre retoma ao seu coração a cada grosseria e frieza.
Porque ela tem amor, mas também tem carne, sentidos e impulsos.
Mas ela ainda acredita na balança do amor.

Há muito tempo se olha no espelho e não se vê
Todos seus valores superestimados.
Todos aqueles cigarros fumados...
Não existem elogios, não existe autoestima.
Há muito tempo suas mãos estão soltas, acariciando o ar.
Sem refúgio apenas acompanhada da solidão.
Seu corpo está frio, sem cuidado ou carinho.
Ela apenas tem um mundo inteiro nas suas costas.
Que não lhe dá dinheiro, mas uma carga de tristeza.

Mas ela está só...
Não é presenteada com bom dia, muito menos em sua data especial.
Se nem ela lembra de si, quem irá?
Seus ouvidos sangram, seus olhos e seu coração.
Suas mãos agarram o ar e seus pés seguem, seguem e seguem.
Disseram a ela que precisava ser assim mesmo.

Há muita irritação, problemas...
Não, ela não está bem...
E mesmo assim espera algo bom de sua data especial.
Quem sabe...
O ano que vem...

Mais controle e menos amor menina.
Não ela não sabe viver assim.
Quem poderá salvá-la?
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quando fui insuficiente e suficiente fui

HUMILDADE ...

Amor fechado